sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

O FIM DE UM HERÓI QUE NUNCA SERÁ RECONHECIDO

O deputado federal Eduardo Cunha, eleito pelo Rio de Janeiro em um partido de base evangélica, chegou a Brasília como um grande desconhecido e acabou enfrentando forças tradicionais no congresso nacional até que chegou ao posto de presidente da câmara federal.
Posicionou-se no topo dos debates e, extremamente vaidoso achou que poderia ser o grande arauto da reconstrução nacional, partindo do quase anonimato para ocupar lugar de destaque no cenário politico mundial. Não observava que quanto mais alto o pedestal, maior poderia ser o tombo, e desse modo resolveu chamar para si a responsabilidade de derrubar a presidente da república Dilma Roussef. Armou, tramou, arquitetou, montou, enfim, usem o verbo que mais gostarem para qualificar a escalada maldosa e sorrateira intentada pelo vaidoso deputado.
Fez, no âmbito da câmara todas as manobras possíveis em busca da glória que seria a derrubada da maior autoridade do país, como faziam crer as suas entrevistas aos órgãos de imprensa, onde sempre criticava abertamente a presidente da república e o seu partido, o Partido dos Trabalhadores, que sofreu profundo desgaste com esse confronto.
Cunha não observava que as velhas raposas do poder o usavam como uma espécie de cavalo paraguaio e colocavam lenha na sua fogueira fazendo om que ele se sentisse o maior derrubador do mundo. Não imaginou que na hora em que tudo ruísse ele ficaria sozinho porque os seus fomentadores eram apenas opositores oficiais do governo que não queriam sofrer o desgaste e usavam Cunha para servir de escudo nessa guerra inóspita dos bastidores políticos. Foi indo, avançando rumo ao pódio até que realizou alguns atos demasiadamente audaciosos, como o de rachar o seu partido o PMDB, dividir a câmara em contra e a favor da presidência, afrontou a lógica  do comedimento parlamentar ao provocar a destituição do seu líder partidário por outro que fizesse o que ele desejava, fez uma eleição com voto secreto de comissão parlamentar para promover o impeachment de Dilma, até que encontrou ontem no Supremo Tribunal Federal o freio de que necessitava para parar o avanço desmedido de sua insanidade política, que estava causando enorme estrago ao país como um todo, já que a instabilidade do governo estava gerando crise econômica, social, e política além do suportável pela nação brasileira. Se maior parte da população não estava satisfeita com o governo, também não estava satisfeita com a incontida avalanche de troca de acusações entre o deputado e o governo federal, num racha que comprometia a estabilidade política nacional.
Ontem, o STF em julgamento de ação proposta pelo Partido Comunista do Brasil, pôs um freio na doentia perseguição, muito mais pessoal do que de interesse público e resolveu anular os atos então praticados e devolver ao plenário da câmara o processo de impeachment para que seja refeito desde o início com regras que não são as utilizadas pelo então deputado. O Supremo decidiu que a comissão processante será formada por deputados escolhidos pelos líderes dos partidos na proporção das respectivas bancadas, anulando assim a comissão eleita pelo voto secreto, decidiu que o voto na escolha dessa comissão seja aberto e não secreto, proibiu a formação e chapas que não seja a indicada pelas lideranças, e definiu que cabe ao senado a decisão e abrir ou não o processo de impeachment, segundo decisão do plenário do senado. Assim, tudo o que houvera sido feito de forma açodada, na câmara de deputados, deixa de ter validade e volta à estaca zero.
Quem acha que pode ser herói por vaidade, pode fazer como o Cunha, esbarrar nas limitações estruturais que existem há séculos e servem para preservar o equilíbrio da vida em sociedade, sem o que o mundo poderia virar uma grande aventura se cada governante achasse que pode mudar tudo a seu gosto de uma hora para outra.
A evolução de uma nação tem base na cultura, nos costumes, na tradição e no equilíbrio entre as forças que compõem o conjunto das pessoas que a formam.
O futuro vai se realizar a seu tempo, do seu modo e na sequência natural dos fatos que a história vai colecionando.
Desse modo, chegou ao fim mais uma história de glória sem glória, diferente das de Tiradentes, Hitler, Napoleão, Madre Teresa, Chico Mendes que tentaram mudar o mundo e acabaram vítimas de sua coragem, ou de sua audácia.

Cunha, com infeliz desfecho morreu antes de ver algum resultado na sua luta e nem vai entrar para a história de forma positiva, porque não mediu os passos e os atos e nem mediu o tamanho do bicho que teria que enfrentar, além de defender uma causa sem nenhuma expressão histórica. Foi incauto achando que poderia decidir sozinho quem deveria governar o Brasil. De todos os nossos heróis é o que nunca será reconhecido e dependendo do que deverá ocorrer nos próximos dias, poderá virar uma grande piada nesse universo obscuro da política nacional, se não acabar preso. 

Nenhum comentário: